Dicionário de Matutês

.

Recentemente, o Prof. Marcos Nunes Costa, Doutor em Filosofia e atual Coordenador do Curso de Filosofia da UFPE,  sempre preocupado em resgatar e promover nossa cultura popular, desenvolveu um trabalho de pesquisa acerca do “vocabulário sertanejo”, dito “matuto”, o qual foi publicado e lançado em Itapetim durante as Festas Juninas de 2011.

.

Neste trabalho, o Dr. Marcos mostra que, mais do que uma forma de comunicação, que é seu principal objetivo e que funciona muito bem, uma vez que os matutos se entendem tão bem quanto os que se comunicam com a “linguagem formal”, esse extenso vocabulário traz ou reflete em si uma visão de mundo; um conjunto de valores que denominamos de “cultura sertaneja”, que por sua vez fazem do sertanejo um sujeito singular: espirituoso, humorístico, poeta, etc.

.

E à medida que vamos lendo o Dicionário do Prof. Marcos ficamos cada vez mais encantados com a riqueza de sentidos que as palavras transmitem, com a criatividade do sertanejo, que usa e abusa do seu meio (principalmente da natureza) para formular suas expressões, analogias e ditados. Ou seja, a exemplo da linguagem mitológica, que é uma forma de expressar sentimentos, valores, conceitos, etc. através de fatos, o sertanejo usa a natureza como recurso analógico para se expressar. Daí a grande quantidade de palavras, expressões e/ou ditados aqui apresentados, como, por exemplo: “cabrita”, para designar uma moça nova; “fêi [feio] que só um caboré”, para se referir a alguém muito feio; “mais animado do que pinto em bêra [beira] de ceica [cerca]”, para definir uma pessoa muito alegre, etc.

.

Outra característica marcante do sertanejo matuto é a capacidade que tem de adaptar a linguagem à sua condição de homem simples, humilde, iletrado, quando da sinterização de palavras, facilitando a sua pronúncia, que se dá seja pela simples supressão de letras e/ou sílabas, como, por exemplo: “cadêra [cadeira]”, “rinchar [relinchar]”, etc., seja pela simplificação de sílabas, como é o caso daquelas palavras que trazem consoantes dobradas as quais são substituídas por uma única vogal, como, por exemplo: trabaiar [trabalhar], “fi [filho]”, “bascui [basculho]”, “padim [padrinho]”, etc. Ou da contração de duas ou mais palavras numa só, que dá maior agilidade no falar, como, por exemplo: “lastá [lá está]”, “purisso [por isso]”!, “quale? [qual é?]”, “vambora [vamos embora]”, etc.

.

É certo que em alguns casos dá-se um efeito contrário, quando do acréscimo de letras e/ou sílabas em uma palavra, gerando muitas vezes uma nova palavra, a que chamamos de corruptela, como, por exemplo: “ababosa [babosa]”, “azavessar  [avessar]”, “arrente [ a gente]”, etc .

.

Em alguns casos, vemos certa dificuldade em pronunciar certas letras, as quais são substituídas por outras, como é o caso do “b” no início de palavras: ““baje [vargem]”, “barrer [varrer]”, “berruga [verruga]”; do “l” no meio de palavras: “vurto [vulto]”, “cardo [caldo]”, “goipe [golpe]”, etc. ou do “r”: “coipo [corpo]”, “gaiganta [garganta]”, etc.

.

E como fruto dessas variações, seja por supressão, acréscimo ou simplificação de pronúncia, de vez em quando encontramos certas palavras (corruptelas) que são totalmente diferentes da matriz original, como, por exemplo: “briba [víbora]”, “cosca [cócega]”, fosco [fósforo]”, “xexo [seixo]”etc. Sem contar o grande número de utensílios domésticos e/ou do trabalho, comidas, situações e ações próprias do mundo sertanejo, geradoras de palavras e/ou expressões peculiares, só vista no “vocabulário matuto”, como, por exemplo: “atajé”, “batata ou cafofa-de-imbu [umbu]”, “bêra [beira] seca”, “chêi [cheio] de cavilação”, “légua de beiço”, etc.

.

Além disso, percebemos que muitas palavras são originalmente matutas, que não se encontram nos dicionários da língua formal ou oficial, que não temos a menor ideia do que venham a ser, embora entendamos quando colocadas num contexto, como é o caso de “bicina”, que aparece na expressão “tá [está] cum [com] a bicina”, indicando uma coisa ruim, mas que não sabemos o que é.

.

Por fim, reiteramos, o maior objetivo do Dicionário de Matutês do Dr. Marcos é registrar, enquanto é tempo, o rico acervo de palavras e/ou expressões matutas, visto que, nas últimas décadas, estamos assistindo a uma crescente e rápida transformação sociocultural em nossa sociedade, influenciada, principalmente, pelo desenvolvimento industrial, que torna acessíveis seus produtos a todas as camadas sociais e a todos os recôncavos do País (inclusive nos Sertões), especialmente dos aparelhos de veiculação dos meios de comunicação de massas, nomeadamente a televisão. E tais transformações têm provocado mudanças tão repentinas que os mais jovens chegam a desconhecer, quase por completo, as suas origens históricas, as formas de vida e manifestações culturais de seus pais e avós, as quais não lhes servem mais como referencial de vida. Antes, pelo contrário, são rechaçadas como retrógradas e antiquadas.  A alienação promovida pela sociedade consumista gera uma espécie de amnésia cultural nos jovens, obcecados pelo novo, pelo momentâneo,  pela “cultura do enlatado”, vendida por setores da Mídia descomprometida com a cultura histórica.

.

Com o objetivo de levar seu trabalho a um número cada vez maior de leitores, o Dr. Marcos disponibilizou seu Dicionário, que ora colocamos a disposição de todos.


.

Click  abaixo na letra que deseja do Dicionário

.

A – BC - DEFG - H - I -

J - L -M - NOPQ –  RS -

T - U - VX - Z -

.

Click aqui e veja o Dicionário de A a Z.

 

.


 


5 Comments »

 
  • Romerito disse:

    Gostaria de parabenizar a iniciativa!! Trabalho grandioso!!!

    “E tais transformações têm provocado mudanças tão repentinas que os mais jovens chegam a desconhecer, quase por completo, as suas origens históricas, as formas de vida e manifestações culturais de seus pais e avós, as quais não lhes servem mais como referencial de vida. Antes, pelo contrário, são rechaçadas como retrógradas e antiquadas. A alienação promovida pela sociedade consumista gera uma espécie de amnésia cultural nos jovens, obcecados pelo novo, pelo momentâneo, pela “cultura do enlatado”, vendida por setores da Mídia descomprometida com a cultura histórica”

    Um exemplo desta alienação é o câncer da TV brasileira chamado BBB. Para mim, um lixo!!!

  • Romerito disse:

    Onde adquirir uma cópia?

  • Gostaria de adquirir uma cópia do dicionário. Favor entrar em contato através do e-mail. Parabéns pela iniciativa! Nossa terra, nossa gente, nosso vocabulário.

  • Valdemir f. guimarães disse:

    Parabens pelo livro dicionario de matutês, quando estive em itapetm em abril consegui um e gostei muito.

  • Thacianne disse:

    De grande importância acrescentar no nosso vocábulo expressões linguísticas que mesmo nordestina não sabia que algumas palavras citadas correspondia a nossa cultura e que ainda percorre aos falantes do nosso Nordeste.

 

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags XHTML:: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Copyright © itapetim.net 2017 | itapetim.net