Poesias Que Recebemos por E-mail doidobernardo@hotmail.com

POESIA ENVIADA POR MELQUIDES PEREIRA – IGUARASSU-PE

.


You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed.

26 Comments »

 
  • georgia cavalcante disse:

    gosto muito de poesia e gostaria de receber algumas em meu email

  • Alba Regina disse:

    Bernardo, se não me engano esta poesia é da autoria de meu tio Benones Lopes,
    ela foi por mim recitada em um jogral organizado por meu tio que era professor de Língua Portuguesa da Escola Teresa Torres, no ano de 1984.
    Lembrei-me carinhosamente desta poesia e resolvi enviá-la
    como homenagem às lembranças de minha Terra querida e do meu tio que foi a minha inspiração para o Magistério e a disciplina da Língua Portuguesa.
    Um grande abraço
    Alba de Arlindo.

    Itapetim adorada
    Cidade onde nasci,
    A minha infância vivi
    Em ti ficando guardada.
    Da minha infância a lembrança,
    Dos meus tempos de criança,
    Daquela época passada.
    És por mim eternamente,
    Amada sinceramente,
    Itapetim adorada!!!

  • Nossa “Seleção”
    .

    Dunga! Júlio Batista e Elano
    Josué,Gilberto Silva, Grafite
    Na minha Concepção, meu paupite
    Com essa seleção, não me engano
    O Brasil vai entrar pelo cano
    Com esse time medíocre, fuleiro
    Um monte de volante retranqueiro
    O Brasil está mal representado
    Esse time voltará fracassado
    E o “Teixeira” cheio de dinheiro…
    .
    – Farley Tavares-

  • vanusa disse:

    O Saudade Do Meu Sertão….O Site Estar Otimo
    Eu não Tinha Visto O assidente de Toinho Santo
    Que Deus Ilumine ele e coloque ele em um Bom Lugar abraços
    a todos BeijãOoOoOoOOOoOoOOoOOoo Adoro vc Jane

  • Alcíndio ribeiro do nascimento disse:

    sou filho de itapetim um dia quero voltar, hoje eu moro em olinda itapetim é meu lugar,saúdade maxuca o peito o telefone e as imagens é que faz nos suportar.

  • luciene de araujo disse:

    Eu moro em paulista bairro do janga e nasci em são jose do egito mas minha infancia foi toda em itapetim , sou filha de luiz malaquias e maria fereira seu alcino numca pensei que morasse tão perto de um conteraneo um abraço ao senhor.

  • luciene de araujo disse:

    mainha foi pro sitio e eu fiquei em casa,pra eu aperia luiza minha irmã querida, minha mãe pustisça pós todos carinhos de mãe tive dela, a saudade que me consome agora é tão grande quanto o amor que sinto por ela as lembranças de menina todos tem o cheiro dela meus primeiros passos foram com ela o primeiro tapa tambem foi dela. menina vem pra casa quando mainha chegar ela vem casada pos a lida e grande e não quero dar trabalho a ela. um dia minha mãe chega em casa dis que minha irmã ta doente eu cuidei dela do mesmo jeito que ela cuidou de mim ,mas o destino levou ela de mim , só não conseguiu apagar tudo que ela deixou pra mim a saudade de ter uma irmã tão amada quanto a minha. Maria luiza dedico estas palavras a você minha meia mãe meia irmã resumo da minha vida.

  • José Maria Ventura disse:

    Um abraço a todos itapetinenses eu sou filho de Manoel Nenen (de Brejinho), morei aí em Itapetim, gosto da cidade, para quem não conhece, visite Itapetim nas festas de São Pedro que a cada ano fica melhor.

  • Jorge Danilo disse:

    Esse site é excelência
    do litoral ao sertão
    mostrando aquilo que é belo
    das coisas da região
    na dança,verso e repente
    ele em tudo está presente
    fazendo a divulgação

    Bernardo na direção
    está pronto a toda hora
    atento as transformações
    de tudo ele explora
    se é poeta ou cantador
    cantor ou compositor
    nada ele deixa de fora

  • Joseilton Gomes disse:

    O relógio do tempo adiantado
    Não espera ninguém e nem atrasa
    A saudade de outrora nunca passa
    Só ficando lembranças na memória
    As pessoas que amamos vão embora
    Sem dá tempo sequer se despedir
    E as outras que ficam por aqui
    Vão levando sua recordação
    No meu peito martela o coração
    Por saber que quem amo vai partir

    As mulheres que tive foram embora
    Dos parceiros nem tenho mais contato
    Nos parentes o tempo dá um trato
    E a velhice ruindo os que restaram
    Nem as coisas que antes animaram
    Hoje traz apenas emoção
    Já não canta sequer sua canção
    Nem tem mais a vontade de sorrir
    No meu peito martela o coração
    Por saber que quem amo vai partir.

    Autoria: Joseilton Gomes Pinheiro (filho de Zé Gomes)

  • doubas sampaio disse:

    gostei da ideia das severinas;quero convidalas pra participar do meu dvd em junho de 2o12 empernambuco itapetim.doubas sampaio tl:(011)81782710tim ou (011)93815962 claro

  • O encanto da vida depende unicamente das boas amizades que cultivamos.Só Deus dá a vida mais você pode dar a alegria de viver ………………………………………..carlinhos.

  • esta é uma grande homenagem ao nosso amigo Bernardo,,,,,,,,,este é o valor que ele tem………………………………………………………………………………………………………………………………………..
    Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre
    Caldo de cana é o suco extraído pressionado cana . É consumida como uma bebida em todo o mundo, e especialmente em regiões onde a cana é cultivada comercialmente, como o Sudeste Asiático , Sul da Ásia , e América Latina .
    Caldo de cana evaporado é um termo vagamente definido que pode incluir combinações de açúcares , incluindo glicose e frutose . É menos processado do que branqueada açúcar branco . [1] benefícios nutricionais são mínimas; caldo de cana evaporado contém minerais e vitaminas, mas tem a mesma quantidade de calorias que o açúcar de mesa [2] e os EUA Food and Drug Administration define suco de cana evaporado como qualquer adoçante derivado do xarope de cana-de-açúcar. [3]
    Conteúdo [hide]
    1 Regiões
    1,1 Índia
    1,2 Paquistão
    1,3 Hong Kong
    1,4 Leste da África: Quénia, Tanzânia, Zanzibar
    1,5 Vietnam
    1,6 Brasil
    1,7 Egito
    1,8 Camboja
    1,9 Indonésia / Malásia / Singapura
    2 Gallery
    3 referências

  • estes são os pises que consomem á garapa……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………Índia

    Vendedor de caldo de cana em Hyderabad, India
    Esta é uma bebida popular na Índia, especialmente em estados como Maharashtra, Andhra Pradesh, Tamil Nadu, Punjab, Haryana, Himachal Pradesh, Rajasthan e Uttar Pradesh. É conhecida como “Oosacha Ras” ou “Ganneka Ras” em Maharashtra em Marathi e Hindi conformidade (‘Ras’ traduz ‘suco’, onde, como o primeiro em ambos os termos, “Oos ‘e’ Ganna” traduzir a “cana-de-Açúcar . Ele é chamado Roh no leste Punjab. As pessoas geralmente gostam desta bebida nos meses de verão. Alguns outros aditivos são adicionados ao suco fresco como limão, gengibre, hortelã e gelo. “Oosacha Ras” fornecedores são comuns durante todo o ano em a cidade de Mumbai, Maharashtra. As pessoas também podem encontrar esta bebida à beira das estradas em Punjab a partir de meados de março até o último de outubro. A maioria dos vendedores se preparar o suco fresco rapidamente sob demanda.

    Fornecedores de cana suco em Dhaka , Bangladesh
    [ editar ]Paquistão
    Caldo de cana é a bebida nacional do Paquistão , onde é chamado de Roh e mais comumente referido como “gunney ka rus”. É vendido por vendedores de beira de estrada, e está sempre fresco, como o suco começa a transformá preta muito rapidamente devido à oxidação. [ carece de fontes ] É vendido em copos com ou sem gelo.
    [ editar ]Hong Kong
    Vendedores de rua começou a oferecer caldo de cana em Hong Kong na década de 1970. A sua popularidade levou a bebidas engarrafadas cana-de-açúcar que estão sendo vendidos em supermercados como PARKnSHOP .
    [ editar ]África Oriental: Quénia, Tanzânia, Zanzibar
    Em Zanzibar rua cana esmagar fornecedores com pequenas quantidades de gengibre fresco.
    [ editar ]Vietnam
    Caldo de cana, chamado nuoc mía, é muito popular no Vietnã como uma bebida refrescante no clima quente vietnamita. Kumquat suco , um citrino, é muitas vezes adicionado para equilibrar a doçura. [4] Ele está disponível em bancas de rua a maioria das pequenas e muitas vezes é vendido junto com outros populares bebidas da Ásia. Era comum para caldo de cana a ser vendido em pequenos sacos de plástico cheios de gelo, com a extremidade aberta anexa ao redor de um canudo por um elástico. Agora é mais comumente vendido em copos de espuma branca. [5]
    [ editar ]Brasil
    No Brasil , caldo de cana é chamado de caldo de cana ou garapa , e é geralmente servido com limão.
    [ editar ]Egito
    No Egito , caldo de cana é chamado Aseer ASAB ( árabe egípcio : [??s ? i ? r ??s ? ?b] ???? ???) e é de longe a mais popular bebida servida por quase todos os fornecedores de suco de frutas, que pode ser encontrado em abundância na maioria das cidades. É uma bebida muito refrescante no verão ao meio-dia.
    [ editar ]Camboja
    No Camboja, é muito popular, enquanto a exposição ao sol quente.
    [ editar ]Indonésia / Malásia / Singapura
    Na Indonésia e na Malásia também, caldo de cana é chamado de ar tebu. Em Bahasa Melayu , “tebu” é o açúcar de cana e “ar” é a água. É vendido em todo o país, especialmente entre os vendedores de rua. Também é engarrafado para a distribuição local, em algumas regiões e vendido em praças de alimentação diária. Em Cingapura, praças de alimentação também vendem caldo de cana, mas não nas ruas. Ambos os países utilizam pressers eletrônico porque é mais fácil e mais rápido. A comunidade chinesa em três países também prefere chamar de caldo de cana “Gam Jia Zui”, que significa “Água de Cana de Açúcar”, no diale

  • ROSEANE PIRANJI BRITO disse:

    ESTOU COM SAUDADE DA MINHA TERRA
    DO MEU PEDAÇO DE SERRA,
    MEU AMADO SERTÃO A VIDA AQUI, É BOA OS PENSAMENTOS E AMONTOA.
    E A GENTE COMEÇA A CHORAR.

    PEGO MEU VIOLÃO E COMEÇO
    A CANTAR O MEU SERTÃO QUERIDO
    FICO A PENAR COMIGO POR TER
    TI DEIXADO COMO UM CASAU
    DE NAMORADOS QUE CHORAM EM PARTIDA.

    CHORA POR SUA QUERIDA
    NÃO SABI SE UM DIA VAI VOUTAR.
    MINHA QUERIDA ITAPETIM ESRERE ,
    POR MIM QUE UM DAI VOUTAREI
    AO TEU LEITO COM TODO RESPEITO QUE
    TENHO POR TI.

    @LTORA: ROSEANE PIRANJI BRITO
    DE SÃO JOSE DO EGITO :PERNAMBUCO

  • Flávio Pedras Soltas disse:

    Quando amanhece o dia
    Em nosso sertão torrado
    Não tem nada pra fazer
    Nem ração pra dar o gado
    A água estar se acabando
    Os bichos tudo a morrer,
    E o nordestino lutando
    Pra mode sobreviver.

    Autor;Flávio Pedras Soltas..

  • jucie c. silva disse:

    SONETO DA SAUDADE

    Por essa inspiração que me entorpece
    Ponho-me a descrever os teus encantos
    Meu punho baila, como que enlouquece,
    Derramando na folha seco pranto.

    Goteja, e o coração logo se aquece,
    Versos que ao palmilhar o peito tanto
    Esse amor capitoso reverdece
    Com a melodiosa água do meu canto.

    Sobe ao cimo do sonho o pensamento,
    Que a saudade queimando quer assim,
    A procurar nos versos o seu alento.

    Tempo e distância querem ver meu fim
    Mas antes de cumprirem o mal intento
    Poesia me levará a ti Itapetim.
    Autor; JUCIE CLEMENTINO DA SILVA

  • jucie c. silva disse:

    Dedico essa poesia a todos os itapetinenses, em especial aos meus queridos mestres inacie gomes, professor eráclio, professor benones, e a todos de minha saudosa escola teresa torres.

  • jucie c. silva disse:

    APRESENTAÇÃO

    Sou filho do pajeú
    Em suas margens nasci
    Em suas águas cresci
    Ouvindo o canto do sabiá

    Trago na alma a canção
    Dos grandes menestréis
    A força dos seus cordéis
    Na hora de versejar

    Tenho sangue da caatinga
    Transpiro sua efervescência
    Caboclo de consciência
    Sou parte do meu lugar

    Quando imito a juriti
    Lembro-me de suas serras
    Saudades de minha terra
    Respingam no meu cantar

    E assim dentro do peito
    Badala uma viola
    Que de saudades chora
    Para a saudade matar:

    “Sou da terra onde as almas
    São todas de cantadores
    Sou do Pajeú das flores
    Tenho razão de cantar.”

    autor; Jucie Clementino da Silva

  • jucie c. silva disse:

    POESIÓPOLIS

    Nas margens do Pajeú
    Floresceu cidade bela
    A mais formosa donzela
    Das filhas da inspiração.

    Sob sua proteção
    É o berço da poesia
    Traz em sua galeria
    Um jardim de menestréis.

    Levados por seus batéis
    Nos rios do versejar
    Proclamam no seu cantar
    Sou filho de Itapetim.

    Terra de Pedro Amorim,
    Zé Adalberto, Rogaciano
    O poeta soberano
    Na arte da improvisação.

    Dispensa apresentação
    Amiraldo Patriota
    Se for falar não se esgota
    Tem um poeta em cada casa.

    Que viajando nas asas
    Da mais pura poesia
    Fizeram da cantoria
    A marca deste lugar.

    Nas praças, jardins pelo ar
    Poesia fez habitação
    E junto com a inspiração
    Resolveu ali morar.

    Autor; Jucie Cementino da Silva

  • jucie c. silva disse:

    DE TARDE…

    Quando o sol jaz no leito vespertino
    Ébrio por enlevante sono de horas
    De joelhos no chão, tal qual menino,
    Aguçada minha alma a Deus adora.

    “Dormita o astro-rei”; Acordo repentino.
    Lembra-me a chama que no peito mora
    Transborda meu ser de gozo divino
    Torrentes no olhar minha fronte exploram.

    E destro a transpirar meigos louvores
    Insisto em buscar do céu favores
    Se bato com constância me abrirá.

    Enquanto o sol naufraga no horizonte
    Antes que o último raio se desmonte
    A luz de cima vem me iluminar.

    DE MADRUGADA…

    A solidão abraça a noite turva
    Arquitetam o céu astros brilhantes
    O nada a brisa leva em cada curva
    Impera a lua, dourado turbante.

    Estrelas em brasume o céu avulta
    São eternos vigias fulgurantes
    No meu leito minha alma em Deus exulta
    Por esse auspicioso e terno instante.

    Minhas palavras rompem o silêncio
    E em forte oração sobem qual incenso,
    Para o céu de glória e de áurea luz.

    A escura solidão reina lá fora
    Enquanto no meu peito em chama aflora
    A divinal presença de Jesus.

    MANHÃ…

    Já desponta preguiçosa a alvorada
    A tecer nos mortais vãs esperanças
    Nutridas por quimeras são frustradas
    Pois vitória só do alto é que se alcança.

    Vagarosa se esparge a luz nas plagas
    Reluz meu coração de confiança
    Do repouso minha alma descansada
    Aos pés de Jesus outra vez descansa.

    Tingiu de azul o firmamento o sol
    Cantam os passarinhos no arrebol
    Louvando a Deus por tão mágico afã.

    Ao se apegar ao pó firme e constante
    Sinto-te na alegria desse instante
    Resplandecente estrela da manhã.

    Autor; Juciê Clementino da Silva
    ASSIM SAIBA MEU POVO QUE MESMO AUSENTE PEÇO SEMPRE A DEUS POR VOCÊS.

  • jucie c. silva disse:

    ITAPETIM; COMEÇO, MEIO E FIM

    Impelidos por sol tão causticante
    Tropeiros descansavam caravanas
    A sombra de frondosa e verdejante
    Planta nativa, pérola serrana.
    E por ser ali árvore abundante
    Também da caatinga veterana
    Inspirou-lhes o nome rutilante
    Minha terra chamou-se umburanas.

    Povo de fé, Irmãos de confiança.
    Fizeram do Trabalho o seu enlace
    Entregaram A Deus sua esperança
    Abraçando a Piedade sem ultraje
    Assim foram Eleitos na pujança
    O Senhor foi Também seu próprio traje
    Trazendo-lhes Indícios de mudanças
    Depois de chaMar São Pedro das Lajes.

    ?

    Tua base foi com pedra construÍda
    Em fundamento firme e compeTente
    Ninguém jamais viu tua fronte cAída
    Passando em tua história o fino Pente
    Virgilio inveja teus filhos na EnEida
    Frente a labuta foram insisTentes
    Encontraram nos versos sua saÍda
    Nasceu ITAPETIM precisaMente.

    Autor; Juciê Clementino da Silva

  • jucie c. silva disse:

    RENOVAÇÃO

    …O
    SOL
    NASCEU,
    ASCENDEU,
    SUBIU A SERRA,
    VISITOU A TERRA
    ILUMINANDO O MUNDO.
    Escurecendo o mundo
    Despediu a terra,
    Desceu a serra,
    Decaiu,
    Morreu

    O…

    AUTOR; Jucie Clementino da Silva

  • jucie c. silva disse:

    DECLARAÇÃO

    Te amo, te amo, te amo
    Por você ser amorosa
    Uma fantasia maravilhosa
    A certeza para um engano.

    Te amo, te amo, te amo
    Por você ser minha felicidade
    Uma brisa de simplicidade
    O amor que tanto clamo.

    Te amo; Por seres completa,
    Te amo; Por ser poeta,
    Te amo; E de amor me chamo.

    E enquanto eu viver
    Para sempre vou dizer
    Te amo, te amo, te amo.

    AUTOR; JUCIE CLEMENTINO DA SILVA

  • jucie c. silva disse:

    JESUS NO GETSÊMANI

    Na álgida escuridão que o mundo abrange
    Foi Jesus no Getsêmani velar
    Já chegara, sabia bem, o seu tempo.
    De atroz suplício para o pai passar
    Movido por amor veraz e assíduo
    Disse em suave voz aos seus discípulos
    Assentai-vos aqui enquanto além vou orar.

    Tomou consigo a Pedro ao se ausentar,
    A Tiago e também levou a João
    Nestes depositava confiança
    Para testemunhar tal aflição
    E com eles se distou um pouco dali
    Para ver encravadas sobre si
    As feridas do humano coração.

    Voraz dor explicar foge a razão
    Que em embate sentiu ali o mestre forte
    Que posse a transpirar gotas de sangue
    Para consolar chega um anjo a sorte
    E pelo horror cruel desse momento
    Disse ao visar na angústia esse tormento
    “A minha alma está triste até a morte”.

    Para termos da Vida o passaporte
    Quanto mais sofria tanto mais orava
    Resistia mesmo o sangue ao chão correndo
    Pois ver nossa vitória mui almejava
    Como esse pesar não mais suportasse
    “Pai, se queres, afasta-me este cálice”
    Disse enquanto dorido relutava.

    Nas trevas daquela hora agonizava
    A luz resistia para termos paz
    Testemunhavam também as oliveiras
    E tamanha dor não viram jamais,
    Qual lágrima dolosa em tez rolando
    Com suas folhas verdes pranteando
    Frígido e cristalino orvalho cai.

    “Não seja, todavia, como eu meu pai,
    mas como queres”. Disse no sofrer.
    Assim voltou pra perto dos discípulos
    E a todos encontrou no adormecer
    Envoltos pelo manto da frieza
    De pálpebras cansadas de tristezas
    Resolveram ali se recolher.

    Porém Pedro acordado pode o ver
    E ouvir de sua boca essa repreensão;
    “Não pudeste velar comigo uma hora
    Orai pra não cair em tentação
    Pois na verdade o espírito está pronto
    Contudo a carne é fraca”. Deu a isso ponto
    E entrou segunda vez em oração.

    Segunda vez orou nessa aflição,
    Segunda vez tornou a ver os seus,
    Segunda vez estavam a dormir
    Pesado sono pois prevaleceu.
    Voltou terceira vez a suplicar
    Dormiram todos ante o seu penar
    Mas seu espírito não adormeceu.

    Quando do Homem os males absorveu
    Sem mácula foi tido por maldito
    E ao tornar aos seus vendo-os dormir
    De cada um fez tornar os seus sentidos
    E lhes disse sem medo e sem demora;
    “O traidor se aproxima é chegada a hora”
    Depois disso foi preso, foi traído.

    Na bíblia tudo foi por Deus escrito
    Para nele fielmente se cumprir
    Por isso sendo Deus se esvaziou
    Nossas dores tomou-as sobre si
    E dali partiu para o matadouro
    Silenciou a voz, cerrou o choro.
    E o cordeiro se foi pra nos remi.

    Oh! Pecador, sem Deus, sem salvação.
    Entrega-lhe teu pobre coração
    E então veras que tudo foi por ti.

    AUTOR; JUCIE CLEMENTINONDA SILVA

  • jucie c. silva disse:

    CABOCLA MORENA

    Cabocla morena
    Rosa serena
    De formosura mais bela
    A noite mais linda
    Que me faz companhia
    Manhã tão infinda
    Que me traz poesia
    Menina pequena
    De cor de canela
    Misterioso poema
    Que a manhã revela
    Cabocla morena
    Essência de alfazema
    É sonho de primavera.

    AUTOR; JUCIE CLEMENTINO DA SILVA

 

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags XHTML:: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Copyright © itapetim.net 2017 | itapetim.net